Número total de visualizações de página

6.24.2012

DE MOLHO



Há quem diga que as cartas de amor se escrevem à noite, e se deixam de molho num bom caudal de lágrimas até à manhã seguinte. Depois, releem-se e rasgam-se...
Nada disso, digo eu que não me lembro de ter escrito uma única carta de amor desde que sou gente. Dá-me para escrever de tudo menos disso... Mas as melhores cartas de amor devem ser as que são escritas a meio da tarde, sol no rosto e vento nas ideias, a varrer a prosa dos arremessos menos lógicos  que o amor pode proporcionar, esse mesmo que segundo Dante, move o sol e as outras estrelas.
E foi assim que dei por mim a escrever-te hoje, em pedaços de papel arrancados a folhas que queriam voar para longe. Tu, que contrariamente ao expectável, me dominas e controlas. Logo a mim, que não me habituei nunca a ser controlada...
Nunca nos cruzámos antes mas eu já sabia o teu nome, que sempre tive jeito para dar largas à imaginação a partir do nada. Quando te vi, quando nos vimos, medi-te de alto a baixo e soube, ali mesmo, que serias o maior dos meus casos de amor. O maior dos maiores. E gosto, contragosto, de ser subjugada por ti, até o suor me escorrer pelo corpo. E a necessidade que tenho de ti é urgente... mas avanço devagar, forçada a este caminhar lento a que a vida me força, essa vida que julga que sabe muito mais do que nós. Gostava que encontrasses em mim o que julgaste irremediavelmente perdido, seja isso o que for. Estás continuamente comigo, num recanto da minha mente incansável. Sou demasiado vertiginosa para ti... sei que te posso assustar. Mas conheço o teu cheiro de cor e sei localizar todas as marcas do teu corpo... Corro a toda a velocidade para a beira do precipício que tu podes ser na minha vida. Mas continuarei a correr porque, simplesmente, não me apetece parar. É possível amar-se alguém que mal se conhece? Não sei... És como um lobo vestido de lobo e eu caio nas tuas ciladas... nas ciladas que me fazes com as mãos e com o teu olhar... Gravei na memória tudo o que te diz respeito. Já quase não recordo os meus pensamentos, aqueles de antes, antes de estarem cheios de ti até transbordarem. O pior dos desastres da minha vida aparentemente arrumada seria apaixonar-me assim. E aconteceu! 
Quero agora de volta tudo o que extorquiste de mim: a minha serenidade, o meu equilíbrio, a minha paz... 



Sem comentários:

Enviar um comentário

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO: