Número total de visualizações de página

2.14.2016

EXERCÍCIOS LITERÁRIOS

Vou, por isso, contrafeita, fazer de conta que tudo aquilo foi um exercício literário com que gastei as minhas horas de solidão, procurando convencer-me de que  passei aqueles dias, meses, anos, sem atropelos, quase ausente de sentidos e despida de emoções. Mas não resulta. Que a mim me já não convenço. Esta supremacia de sentidos continua a enrolar-me e é nestas horas que a gente é capaz de reparar que a vida é tão banal até sermos engolidos por um tsunami que surge sem nome nem origem nem destino.

SOU COMO UM GATO...


"Sou como um gato. Atirem-me ao ar e cairei sempre de pé." 
Bette Davis


Atirou-se da janela do 5.º andar. Pela segunda vez. Apanhei-o de dentro de uma poça de sangue. Olhava-me com os seus olhos ternos e suplicantes. Amo-o. Amei-o desde a primeira vez que o vi. Pequenino, hesitante. Agarrei-o ao colo e trouxe-o comigo para casa contra todas as expectativas. Desde esse dia que me apoio nele. Um ser arisco e ternurento, de uma ternura extraordinariamente independente mas que me prende, me conforta e me dá prazer.

Levei-o às urgências. Disseram-me: "se for coluna vertebral, terá de mandar abater." Assim, nua e cruamente, como se eu pudesse mandá-lo abater e continuar na posse de todas as minhas faculdades. Mas não era. Parecia apenas. Fractura da bacia. Ficou no hospital. Regressou ontem para casa. Agora está aqui ao meu lado, imóvel e questionante, com os seus olhos suplicando mimo e festas. Safou-se desta! Mas só já lhe restam 5 vidas. Sinto-o próximo de mim. É como se, solidário comigo e com os meus momentos de atracção pelo abismo, se atirasse da varanda em meu lugar.

UM DESTES DIAS

Um destes dias vou dizer-te que te amo. Amanhã, talvez. É uma promessa... ou uma ameaça, sei lá. De qualquer forma, ficas avisada(o) Depois, não vale fingir  surpresa, arregalar os olhos de espanto, escancarar a boca toda e voltar a fechá-la num silêncio desorientado.

 in Jorge Eusébio, Um destes Dias