Número total de visualizações de página

6.12.2012

COMO A AREIA DO TEMPO


As memórias são intermitentes, às vezes fugidias mesmo... Hoje, porém, recordo cada instante, cada momento, cada pormenor de um tempo em que fui feliz. E a loucura, aquela que anda de mãos dadas com a poesia, apodera-se um pouco de mim. As pessoas equilibradas nunca entenderão a poesia, nunca entenderão o vazio da perda.

Dei tudo o que tinha para dar. Mais não dei porque não tinha. Fui, pouco a pouco, esvaziando-me e hoje cheguei ao limite da embriaguez de nada. E quando ficamos sozinhos, tendemos a caminhar para as luzes que se avistam à distância. Eu nada vejo. Mas penso. Recordo tudo através dos seus olhos, do seu corpo... e sinto tudo a escoar-se por entre os meus dedos, como "a areia do tempo".

Sem comentários:

Enviar um comentário

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO: