Número total de visualizações de página

5.23.2012

QUEM VIU GOA TAMBÉM PRECISA DE VER LISBOA


Hoje a linha do Oriente termina no Parque das Nações mas tempos houve em que terminava em Goa.

Visitei Pangin pela primeira vez casualmente. Deambulava por Zurique ao entardecer quando duma montra saiu um grito irrecusável: Índia. Fui. Desde a Volta ao Mundo N.º29 que tinha vontade de fazer uma ronda pelos despojos do nosso império. Escolhi Goa primeiro pelo exotismo, depois por querer revisitar os lugares da nossa história ou os destroços que dela restavam. Pude confirmar que o misticismo da Velha Goa ainda paira no ar mas deixei essa quase cidade fantasma com um nó nacionalista no peito a recordar-me as profecias do poeta: 

"Cumpriu-se o mar e o Império se desfez / Senhor, falta cumprir-se Portugal".

Mas Goa tem muito mais para oferecer do que os monumentos de outrora. Outros viajantes me tinham contado das praias de Goa de onde se avistava o paraíso; das ruas com cheiro a sândalo e jasmim; e da célebre "feni", cerveja goesa saboreada numa esplanada ao sol do mar arábico. De todos os locais prazenteiros que circundam Pangin, Calangute e Palolem foram os meus eleitos. Por menos de 400 rupias por noite, Palolem ofereceu-me um bungalow feito de cordas entrançadas na madeira que tocava corajosamente o mar. Fiz dele o meu Forte da Aguada Beach Resort e foi ali que todas as noites ao adormecer já te ouvia o sussurrar-me segredos ao ouvido... Ao que eu te respondia sempre: 
- Habibi, quem viu Goa, também precisa de ver Lisboa. :)

Sem comentários:

Enviar um comentário

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO: