Número total de visualizações de página

5.21.2012

CONSTANTINOPLA

Gosto de arte. Gosto de Art Nouveau. E gosto de percorrer o mundo em busca destas manifestações artísticas. Ou de outras. Na transição entre os séculos XIX e XX, muitos ricos sultões contratavam arquitetos  estrangeiros para dar um toque ocidental aos seus palácios. Nós, por aqui, por vezes queremos dar um toque asiático aos nossos lugares. Enfim... desta amálgama se vai vivendo.

Gosto da Turquia. Já percorri o país e já visitei Istambul por mais do que uma vez. E não me canso. Gosto da atmosfera. Gosto das pessoas. E gosto, particularmente, dos cheiros e das cores. Mas, se há algo que me fascina nesta cidade a meio caminho entre a Europa e a Ásia, é a possibilidade que ela nos dá de nos sentirmos de novo a embarcar em grande estilo no Expresso do Oriente. No primeiro dia de um destes anos, foi nesta estação neomourisca de Sirkeci - hoje praticamente dotada ao abandono mas onde se respira ainda o espírito de aventura - que tomei o meu pequeno almoço. O Expresso do Oriente foi certamente o comboio mais famoso do mundo e a sua viagem inaugural  a 4 de outubro de 1883, entre Paris e Istambul (na altura ainda Constantinopla), sempre fez parte do meu imaginário de viajante...

Mas voltando à realidade de Art Nouveau desta cidade, quem gostar pode encontrá-la nos bairros de Galata, Pera (Beyoglu), na Avenida Istiklal e nas margens do Bósforo, em Bebek ou na Ilha dos Príncipes. Porém, em Istambul, há uma outra faceta que nos persegue e não nos deixa indiferentes. Porque não pode deixar! A Mesquita Azul é uma coisa do outro mundo... como também são as Solimão e de In-Chora... Na Basílica bizantina de Santa Sofia só entro quando consigo descaradamenter furar a longa fila de turistas que ali se amontoa... Mas para quem nunca a visitou, vale a pena a espera pelo sincretismo religioso digno de nota. Os símbolos cristãos convivem com os do Corão e até parece que ali a religião vive em paz. Caso contrário, desista... que há muito mais do que fazer em Constantinopla. Vá a TOPKAPI, visite o harém labiríntico com 400 divisões e, faça como eu: perca-se, se for possível... Gosto de me perder nas ruelas das 7 colinas de Istambul, como gosto de me enfiar no Hammam e terminar o meu dia a beber um chá ou café turcos. Gosto de me imaginar no Pera Palas, em cujo quarto 411, Agatha Christy se instalou para escrever o seu livro Um Crime no Expresso do Oriente... Mas gosto sobretudo dos cheiros e das cores desta cidade e de me perder no Bazar Egípcio, mais duramente real do que o Grande Bazar onde os turistas me chateiam de tantos que são a entrar e a sair pelas 16 portas deste mercado... É no Bazar Egípcio que eu gosto de ir pela manhã, comprar especiarias ou simplesmente olhar a vida fervilhante que ali existe. E gosto, gosto muito, da comida turca, provavelmente das melhores do mundo, onde a beringela, para quem não sabe, é cozinhada de 258 maneiras diferentes, quase como o bacalhau...

O Çemberlitas é, sem dúvida, o sítio de onde não se volta a mesma... Como não se explica a magia de tomar o pequeno almoço e escrevinhar a ver o Bósforo, qual Pierre Loti, esse que se perdeu de amores pela Turquia e, como eu, por Istambul... No Pyerloti Kahvesi, um pequeno café de madeira cheio de charme com divâs e mesas otomanas, as palavras surgem de rompante e podemos ficar ali um dia inteiro a beber chá e a escrever, enquanto  olhamos o Corno de Ouro... Ou simplesmente deixarmo-nos ir com Corto Maltese, o marinheiro errante de Hugo Pratt. Se lhe apetecer um pouco de Europa, vá para ORTAKÓI e divirta-se... Ali, se esquecer a língua e a enorme quantidade de vendedores ambulantes, pode imaginar-se numa cidade europeia.


Não. Não receie. Istambul não é uma cidade dura. Apesar de ter mais de 11 milhões de habitantes, Istambul é uma cidade onde se aprende a estar, devagarinho, ao ritmo do som que vem dos minaretes com o canto do muezzin a lembrarmo-nos que estamos ali para nos sentirmos vivos! Tal como hoje, dia em que me sinto viva, desperta e capaz de derrubar todas as barreiras e fronteiras deste mundo.
E provavelmente do outro...
MERHABA!

Sem comentários:

Enviar um comentário

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO: