Número total de visualizações de página

4.08.2011

SOU COMO UM GATO

"Sou como um gato. Atirem-me ao ar e cairei sempre de pé." Bette Davis

Atirou-se da janela do 5.º andar. Pela segunda vez. Apanhei-o de dentro de uma poça de sangue. Olhava-me com os seus olhos ternos e suplicantes. Amo-o. Amei-o desde a primeira vez que o vi. Pequenino, hesitante. Agarrei-o ao colo e trouxe-o comigo para casa contra todas as expectativas. Desde esse dia que me apoio nele. Um ser arisco e ternurento, de uma ternura extraordinariamente independente mas que me prende, me conforta e me dá prazer.

Levei-o às urgências. Disseram-me: "se for coluna vertebral, terá de mandar abater." Assim, nua e cruamente, como se eu pudesse mandá-lo abater e continuar na posse de todas as minhas faculdades. Mas não era. Parecia apenas. Fractura da bacia. Ficou no hospital. Regressou ontem para casa. Agora está aqui ao meu lado, imóvel e questionante, com os seus olhos suplicando mimo e festas. Safou-se desta! Mas só já lhe restam 5 vidas. Sinto-o próximo de mim. É como se, solidário comigo e com os meus momentos de atracção pelo abismo, se atirasse da varanda em meu lugar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

DEIXE AQUI O SEU COMENTÁRIO: